Conceitos prescritivos de produtos à base de Cannabis nos transtornos de ansiedade

 

Uma das principais indicações clínicas da Cannabis é no tratamento da ansiedade. São diversas as pesquisas científicas que comprovam o potencial terapêutico da planta no controle desse transtorno, sobretudo em relação aos extratos que combinam os fitocanabinoides CBD (canabidiol) e THC (delta-9-tetrahidrocanabinol).

Neste post, falaremos mais sobre essas substâncias e listaremos os principais conceitos prescritivos para você atuar com segurança e eficácia na prática prescritiva no contexto de transtornos de ansiedade.

 

O uso dos fitocanabinoides no tratamento da ansiedade

A administração assertiva de CBD e THC é capaz de reduzir significativamente a manifestação de sintomas comuns nos transtornos de ansiedade e estresse. Esses fitocanabinoides produzem um efeito ansiolítico que minimiza de forma prolongada a expressão das respostas defensivas nos momentos de crise.

No entanto, como na maioria das vezes a Cannabis apresenta uma relação dose/resposta bifásica, é preciso estar muito atento a alguns conceitos prescritivos para não comprometer os efeitos terapêuticos dessas  medicações.

Quando falamos em relação bifásica significa que, em um primeiro momento, aumentar a dose do produto corresponde a aumentar os efeitos terapêuticos desejados.

Porém, existe uma dose ótima que não deve ser ultrapassada, caso contrário pode haver redução nos efeitos terapêuticos desejados ou até o aparecimento de efeitos opostos àqueles que se pretendia alcançar. 

O THC, por exemplo, em doses otimizadas é um poderoso ansiolítico, trazendo sensações de relaxamento e bem-estar, além de induzir o sono e o apetite.

Já em doses elevadas, a substância provoca justamente o oposto: agitação psicomotora, irritabilidade, insônia e inibição do apetite. Portanto, é fundamental identificar a dose ótima do derivado canabinoide para cada paciente, tendo como balizador a melhora dos sintomas e/ou o aparecimento de potenciais efeitos adversos resultantes do uso.

 

Principais conceitos prescritivos da Cannabis

O objetivo geral na terapêutica canábica é produzir alívio dos sintomas e aumentar a qualidade de vida do paciente sem induzir efeitos adversos. Para que seja possível manter esse equilíbrio, alguns conceitos prescritivos devem ser priorizados. São eles:

 

1. Triar perfis de risco

Alguns pacientes apresentam um perfil de risco para o uso da Cannabis, como adolescentes, idosos, grávidas, lactantes, portadores de doenças cardiovasculares graves e instáveis e portadores de doenças psiquiátricas graves ou não tratadas. 

Nesses casos, é preciso ser ainda mais cuidadoso na prescrição, individualizando os tratamentos e titulando as doses mais lentamente.

 

2. Investigar histórico de relação com a planta

Pessoas que fazem uso da Cannabis para fins recreativos e que relatam experiências desagradáveis, como ansiedade extrema e sensação de paranóia, apresentam maior possibilidade de  serem  hipersensíveis ao THC. 

Nessas situações, o ideal é priorizar formulações predominantes em CBD e ser mais cuidadoso ainda na titulação dos produtos enriquecidos em THC.

 

3. Nivelar expectativas com os pacientes

Embora representem um vasto arsenal terapêutico, os medicamentos à base de Cannabis não são uma solução mágica, não estão indicados para todos os casos, nem apresentam respostas satisfatórias em todos os pacientes.

Por isso, é muito importante construir uma relação sólida e transparente com seus pacientes, de modo a alinhar metas terapêuticas reais para que os resultados não frustrem as expectativas dos pacientes e de seus familiares.

 

4. Individualizar os tratamentos

Cada indivíduo tem uma estrutura bioquímica única e um Sistema Endocanabinoide único. Isso quer dizer que não há “receita de bolo” para a prescrição de medicamentos à base de  Cannabis. É preciso contextualizar cada caso para escolher a via de administração, o  perfil de formulação e a estratégia de  dosagem conforme as particularidades de cada paciente.

 

5. Utilizar produtos full spectrum (espectro total)

Prefira produtos de espectro total, o uso de produtos full spectrum amplifica os efeitos medicinais da planta. Os canabinoides, flavonoides, terpenos e outros metabólitos presentes na planta atuam em sinergia uns com os outros para potencializar os diferentes efeitos terapêuticos. Este efeito chamamos de efeito entourage ou efeito comitiva, e já foi demonstrado na literatura que o uso de fitoterápicos é mais eficaz que o uso de moléculas únicas, devido a esse mecanismo de sinergia.  O efeito entourage modula também os potenciais  efeitos adversos dessas medicações. 

 

Quer saber mais sobre Cannabis medicinal e práticas prescritivas? Entre em contato conosco e faça parte da maior comunidade global de estudos em Medicina  endocanabinoide!

 


Referências

PAPAGIANNI, Eleni P.; STEVENSON, Carl W. Cannabinoid Regulation of Fear and Anxiety: an Update. Current psychiatry reports, v. 21, n. 6, p. 38, 2019.

Esse texto foi elaborado pelo time de experts da WeCann, baseado nas evidências científicas partilhadas nas referências e, amparado na ampla experiência prescritiva dos profissionais.

Mantenha-se atualizado. Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos e tecnicamente qualificados.


    Ao assinar, você concorda com a política de privacidade.

    Assine nossa
    
newsletter.

      Ao assinar, você concorda com a política de privacidade.

      Artigos relacionados