Tudo que você precisa saber sobre o Canabidiol: Guia Completo

Publicado em 03/06/24 | Atualizado em 03/06/24 Leitura: 12 minutos

Canabidiol (CBD)

O que é o Canabidiol?

Os canabinoides são compostos químicos biologicamente ativos encontrados na planta Cannabis sativa, com destaque para o Δ9-tetrahidrocanabinol (THC) e o canabidiol (CBD). Nos últimos anos, a crescente base de evidências científicas têm destacado seu potencial terapêutico, especialmente em condições clínicas que apresentam resposta subótima aos tratamentos convencionais. O canabidiol (CBD), um dos principais compostos encontrados na planta Cannabis sativa, destaca-se por ser não-psicotrópico, ao contrário do THC. Extraído principalmente das flores da planta, pode ser formulado em diversas formas, incluindo óleos, cápsulas, cremes e produtos comestíveis.

Neste post, abordaremos os pontos-chave sobre o CBD que são fundamentais para ampliar o seu conhecimento, desmistificando as informações a respeito dessa temática. Utilizamos uma base sólida de estudos científicos para oferecer uma análise completa e embasada sobre este composto amplamente debatido.

Como funciona o Canabidiol?

O CBD exerce seus efeitos terapêuticos através de múltiplos mecanismos de ação, que incluem:

  • Modulação dos Receptores Canabinoides: O CBD interage de forma indireta com os receptores CB1 e CB2 do sistema endocanabinoide, regulando a liberação de neurotransmissores e a atividade neuronal¹. Esse processo pode influenciar uma variedade de funções fisiológicas, incluindo o humor, a dor e a resposta imunológica.
  • Receptores TRPV1 (Vanilóides): O CBD ativa os receptores TRPV1², conhecidos por estarem envolvidos na regulação da dor, da temperatura corporal e da resposta inflamatória. Essa interação pode contribuir para os efeitos analgésicos e anti-inflamatórios observados com o uso do CBD.
  • Receptores 5-HT1A (Serotonina):  O CBD demonstra uma alta afinidade pelos receptores 5-HT1A, que desempenham um papel crucial na regulação do humor, da ansiedade e da depressão³. Ao influenciar a atividade desses receptores, o CBD pode exercer efeitos ansiolíticos e antidepressivos.
  • PPARγ (Receptores Ativados por Proliferadores de Peroxissomas) : Esses receptores estão envolvidos na regulação da expressão gênica relacionada à inflamação, ao metabolismo lipídico e à homeostase energética. O CBD demonstrou modular a atividade dos receptores PPARγ, o que pode contribuir para seus efeitos anti-inflamatórios e metabólicos4.
Copia de iStock 1086373124
Sinapse de neurônios – Atividade Neuronal

Esses mecanismos de ação oferecem uma visão abrangente de como o CBD interage com o organismo humano e proporciona seus efeitos terapêuticos em uma variedade de condições clínicas, as mais recentes evidências destacam o potencial do CBD como uma ferramenta valiosa no arsenal terapêutico moderno.

Quais doenças podem ser tratadas com o Canabidiol?

Distúrbios Neurológicos

  • Epilepsia (incluindo Síndrome de Dravet, Síndrome de Lennox-Gastaut e Esclerose Tuberosa)
  • Doença de Parkinson
  • Esclerose Múltipla (EM)
  • Doença de Alzheimer e outros quadros demenciais

 

Distúrbios neurológicos, como epilepsia e esclerose múltipla, afetam milhões de pessoas globalmente, muitas vezes resultando em incapacidade significativa. A epilepsia refratária, em particular, permanece um desafio clínico, até um terço dos pacientes não responde adequadamente às terapias antiepilépticas convencionais5.

O CBD, em doses precisas, mostrou-se eficaz na redução da frequência e severidade das crises epilépticas em síndromes como Dravet e Lennox-Gastaut6. Em esclerose múltipla, a combinação de THC e CBD tem demonstrado aliviar sintomas de espasticidade e dor neuropática, melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Transtornos Psiquiátricos

  • Ansiedade
  • Depressão
  • Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT)
  • Esquizofrenia

 

Transtornos de ansiedade e depressão são condições altamente prevalentes e debilitantes, afetando milhões de pessoas mundialmente. As terapias convencionais, como inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS) e benzodiazepínicos, apresentam limitações, incluindo eficácia limitada e efeitos adversos significativos.

O CBD tem emergido como um ansiolítico e antidepressivo potencial, modulando o sistema serotoninérgico e GABAérgico7. Estudos clínicos preliminares sugerem que o CBD pode reduzir significativamente os sintomas de ansiedade social e transtornos de estresse pós-traumático, sem os efeitos colaterais dos tratamentos convencionais8.

Condições Inflamatórias e Autoimunes

  • Artrite Reumatoide
  • Doença Inflamatória Intestinal (DII)
  • Psoríase
  • Esclerose Múltipla (EM)

 

As condições inflamatórias e autoimunes, representam desafios significativos para a saúde pública devido à sua prevalência e ao impacto na qualidade de vida dos pacientes. Essas doenças muitas vezes são crônicas e podem causar sintomas debilitantes, além de exigir tratamentos contínuos que nem sempre são eficazes para todos os pacientes. 

Nesse contexto, o tratamento com canabidiol (CBD) surge como uma alternativa promissora, já que há uma prevalência considerável dessas condições na população, necessitando de abordagens terapêuticas inovadoras. O CBD, com seus efeitos anti-inflamatórios e imunomoduladores bem documentados, apresenta potencial para aliviar os sintomas associados a essas condições, oferecendo uma opção de tratamento mais segura e eficaz para os pacientes que não respondem adequadamente às terapias convencionais9.

Distúrbios do Sono

Distúrbios do sono representam uma preocupação significativa de saúde pública, afetando milhões de pessoas em todo o mundo. Desde insônia crônica até distúrbios do sono relacionados ao transtorno de estresse pós-traumático (TEPT), essas condições têm um impacto profundo na qualidade de vida dos pacientes, levando a problemas de saúde adicionais, como fadiga diurna, dificuldades cognitivas e distúrbios emocionais. 

Os tratamentos convencionais para distúrbios do sono incluem uma variedade de medicamentos sedativos, que podem ser eficazes em alguns casos, mas também estão associados a efeitos colaterais indesejados e potencial de dependência. Nesse contexto, o canabidiol (CBD) emerge como uma alternativa promissora e natural para melhorar a qualidade e a duração do sono. Estudos preliminares sugerem que o CBD pode ajudar a regular os ciclos de sono-vigília, reduzir a ansiedade e aliviar os sintomas do TEPT, promovendo assim um sono mais reparador e profundo10. A capacidade de modular o sistema endocanabinoide e neurotransmissores relacionados ao sono oferece uma perspectiva promissora para aqueles que buscam abordagens terapêuticas alternativas e seguras.

Dores Crônicas

  • Dor Neuropática
  • Fibromialgia
  • Dor Musculoesquelética
  • Enxaqueca
Copia de iStock 1065782758
Paciente com cefaleia intensa

A dor crônica afeta aproximadamente 20% da população mundial, representando um desafio clínico significativo e um alto custo econômico para os sistemas de saúde. As opções terapêuticas convencionais, como os gabapentinoides (gabapentina e pregabalina) e a duloxetina, são amplamente utilizadas para tratar a dor neuropática e a fibromialgia, mas apresentam limitações importantes, incluindo eficácia variável e diversos efeitos colaterais como sonolência, tontura, ganho de peso, náuseas e fadiga11.

Os canabinoides, particularmente o CBD, têm demonstrado eficácia no manejo da dor crônica e inflamação ao modular os receptores canabinoides, reduzir a liberação de citocinas pró-inflamatórias e interagir com os receptores TRPV1 e PPARγ. Ensaios clínicos indicam que o uso de canabinoides pode resultar em uma melhora significativa na qualidade de vida de pacientes com dor crônica, sendo, portanto, uma alternativa terapêutica com menos efeitos adversos e sem as limitações do arsenal terapêutico habitual. 

Distúrbios Gastrointestinais

  • Náusea e Vômito (especialmente induzidos pela quimioterapia)
  • Doença de Crohn
  • Colite Ulcerosa

 

A náusea e o vômito, especialmente quando induzidos pela quimioterapia, são sintomascomuns em pacientes com câncer e podem levar à desidratação e desnutrição se não forem adequadamente controlados. Já a doença de Crohn e a colite ulcerosa são formas de doença inflamatória intestinal que podem causar dor abdominal, diarreia e perda de peso, afetando negativamente a saúde e o bem-estar dos pacientes. Embora existam tratamentos convencionais disponíveis, como antieméticos para náusea e vômito e terapias imunomoduladoras para doença inflamatória intestinal, nem todos os pacientes respondem adequadamente a essas opções ou podem experimentar efeitos colaterais significativos. 

Sendo assim, o canabidiol (CBD) emerge como uma alternativa terapêutica promissora. Estudos sugerem que o CBD pode ajudar a reduzir a náusea e o vômito em pacientes submetidos à quimioterapia, além de apresentar propriedades anti-inflamatórias que podem ser benéficas no manejo da doença de Crohn e colite ulcerosa12. Essa abordagem oferece uma opção de tratamento potencialmente mais segura e eficaz para pacientes que não respondem bem às terapias convencionais ou que experimentam efeitos adversos significativos.

Distúrbios Dermatológicos

  • Acne
  • Dermatite Atópica
  • Psoríase

 

Distúrbios dermatológicos como acne, dermatite atópica e psoríase representam desafios significativos para a saúde pública devido à sua alta prevalência e impacto na qualidade de vida dos pacientes.São condições que afetam pessoas de todas as idades, pode levar a problemas de autoestima e até cicatrizes permanentes. O tratamento convencional desses distúrbios geralmente envolve o uso de medicamentos tópicos, corticosteroides e imunossupressores, que nem sempre são eficazes para todos os pacientes e podem causar efeitos colaterais indesejados a longo prazo. 

O CBD exerce sua ação na pele principalmente através da interação com receptores canabinoides presentes em células da pele, células imunes e terminações nervosas. Essa interação modula a liberação de neurotransmissores e citocinas, reduzindo a inflamação e a sensibilidade à dor. Além disso, o CBD ativa os receptores TRPV1 e PPARγ. Interessantemente, o CBD também demonstrou induzir a expressão de genes antioxidantes e anti-inflamatórios, como o HMOX1, contribuindo para a regulação da resposta inflamatória e a promoção da cicatrização de feridas13

Outras Condições

  • Hipertensão Arterial
  • Diabetes Mellitus
  • Síndrome Plurimetabólica

 

Outras condições, como hipertensão arterial, diabetes mellitus e síndrome plurimetabólica, representam desafios significativos para a saúde pública devido à sua alta prevalência e impacto na qualidade de vida dos pacientes. Estudos pré-clínicos e clínicos sugerem que o CBD pode ajudar a reduzir a pressão arterial, regular os níveis de glicose e colesterol no sangue e reduzir obesidade, oferecendo uma opção futura de tratamento mais segura e eficaz para esses pacientes.

O Canabidiol emerge como uma ferramenta terapêutica de grande importância em diversas áreas da medicina. Seu uso já está sendo explorado em uma variedade de patologias. À medida que a inovação no mercado científico avança, é fundamental continuar investindo em pesquisas para aprofundar nosso entendimento sobre esses tratamentos e garantir prescrições seguras e eficazes. Esse progresso não só promove o desenvolvimento de novas e promissoras abordagens terapêuticas, como é o caso do Canabidiol, mas também contribui significativamente para a melhora da qualidade de vida  dos pacientes e para o aprimoramento da prática médica.

Referências 

  1. Pertwee, R. G. (2008). The diverse CB1 and CB2 receptor pharmacology of three plant cannabinoids: Δ9-tetrahydrocannabinol, cannabidiol and Δ9-tetrahydrocannabivarin. British Journal of Pharmacology, 153(2), 199-215. doi:10.1038/sj.bjp.0707442.
  2. De Petrocellis L, Di Marzo V. Non-CB1, non-CB2 receptors for endocannabinoids, plant cannabinoids, and synthetic cannabimimetics: focus on G-protein-coupled receptors and transient receptor potential channels. J Neuroimmune Pharmacol. 2010 Mar;5(1):103-21. doi: 10.1007/s11481-009-9177-z. Epub 2009 Oct 22. PMID: 19847654.
  3. Campos AC, Moreira FA, Gomes FV, Del Bel EA, Guimarães FS. Multiple mechanisms involved in the large-spectrum therapeutic potential of cannabidiol in psychiatric disorders. Philos Trans R Soc Lond B Biol Sci. 2012 Dec 5;367(1607):3364-78. doi: 10.1098/rstb.2011.0389. PMID: 23108553; PMCID: PMC3481531.
  4. O’Sullivan SE. Cannabinoids go nuclear: evidence for activation of peroxisome proliferator-activated receptors. Br J Pharmacol. 2007 Nov;152(5):576-82. doi: 10.1038/sj.bjp.0707423. Epub 2007 Aug 20. PMID: 17704824; PMCID: PMC2190029.
  5. Devinsky, Orrin, et al. “Cannabidiol in patients with treatment-resistant epilepsy: an open-label interventional trial.” The Lancet Neurology 15.3 (2016): 270-278. DOI: 10.1016/S1474-4422(15)00379-8
  6. Devinsky, Orrin, et al. “Trial of cannabidiol for drug-resistant seizures in the Dravet syndrome.” New England Journal of Medicine 376.21 (2017): 2011-2020. DOI: 10.1056/NEJMoa1611618
  7. Blessing, Esther M., et al. “Cannabidiol as a potential treatment for anxiety disorders.” Neurotherapeutics 12.4 (2015): 825-836. DOI: 10.1007/s13311-015-0387-1
  8. Boehnke, K.F., et al. “Medical cannabis and the treatment of chronic pain: an introductory review.” The Journal of Pain, 2019. DOI: 10.1016/j.jpain.2019.11.001
  9. Nagarkatti, P., Pandey, R., Rieder, S. A., Hegde, V. L., & Nagarkatti, M. (2009). Cannabinoids as novel anti-inflammatory drugs. Future Medicinal Chemistry, 1(7), 1333–1349. https://doi.org/10.4155/fmc.09.93
  10. Babson, K. A., Sottile, J., & Morabito, D. (2017). Cannabis, Cannabinoids, and Sleep: a Review of the Literature. Current Psychiatry Reports, 19(4), 23. https://doi.org/10.1007/s11920-017-0775-9
  11. Sagy I, Bar-Lev Schleider L, Abu-Shakra M, Novack V. Safety and Efficacy of Medical Cannabis in Fibromyalgia. J Clin Med. 2019 Jun 5;8(6):807. doi: 10.3390/jcm8060807. PMID: 31195754; PMCID: PMC6616435.
  12. Kafil, T. S., Nguyen, T. M. T., MacDonald, J. K., & Chande, N. (2018). Cannabinoids for the treatment of symptoms associated with Crohn’s disease. Cochrane Database of Systematic Reviews, 11(11), CD012853. https://doi.org/10.1002/14651858.CD012853.pub2
  13. Baswan, S. M., Klosner, A. E., Glynn, K., Rajgopal, A., Malik, K., Yim, S., & Stern, N. (2020). Therapeutic Potential of Cannabidiol (CBD) for Skin Health and Disorders. Clinical, Cosmetic and Investigational Dermatology, 13, 927–942. https://doi.org/10.2147/CCID.S286411
Esse texto foi elaborado pelo time de experts da WeCann, baseado nas evidências científicas partilhadas nas referências e, amparado na ampla experiência prescritiva dos profissionais.

Mantenha-se atualizado. Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos e tecnicamente qualificados.


    Ao assinar, você concorda com a política de privacidade.

    Assine nossa
    
newsletter.

      Ao assinar, você concorda com a política de privacidade.

      Artigos relacionados